Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sobre canela e abóboras

por JQ, em 13.12.13

Dizem-me que Henri Meschonnic (apelido deveras real, que lamento não ter sido inventado por mim) terá dito, em 1975, no seu livro Le Signe et le Poème-essai:  “Si la parole parlée est absence, la parole écrite est l’absence d’une absence. Le sens est un absent. Nous ne sommes alors qu’une agitation enfermée dans l’absence, puisqu’un signe renvoie à des signes, toujours qu’a des signes”.

 

Nada mais actual, conceda-se. Quase todos isso dando fomos de barato na suspeita de que fosse exactamente esse o adjectivo preço da realidade e, no entanto, é como quem diz (o Sr. Herberto Helder, por ex.): “não tentámos criar abóboras com a palavra «abóbora»”.

 

Quanto a mim, pelo menos na sua faceta mais próxima da beleza por alcançar, a ilusão sempre importou não só em cada humana subvivência; até na crisálida que almeja ser borboleta; na raiz que deseja o caule, neste que sonha a flor; talvez mesmo na paciente rocha, que espera inimigos ventos para se tornar areia sempre carente do afago das marés.

 

É, és, sou, fomos. A ilusão sempre importou. Se agora quase nunca, aponte-se o dedo para os últimos séculos, para o frenético galope  da modernidade e suas indústrias, para a desconstrução nela inclusa ou, pior ainda, para o cinismo e a indiferença residentes no coração da pós-modernidade ainda reinante. Relembre-se Emil Cioran, esse desgraçado aforista, bem útil durante o optimismo pimba dos anos 50 do século passado. Chegou ele a dizer “Que haja uma realidade escondida atrás de aparências é, afinal, bastante possível; que a linguagem possa revelar tal coisa é uma esperança absurda. "Emílio, vai-te foder só ou acompanhado! Se bem que aparentemente lúcida, a tua razão não me importa, pois nada semeia. Não passas de um eucalipto que dificulta a nascente dos mais diversos futuros. 

 

E assim voltamos ao diktat do Sr. Helder “não tentámos criar abóboras com a palavra «abóbora»”, o que é uma pena, por se tratar de um fruto redondo, bonito quiçá, servindo a cor e o paladar de belas sopas e gringos festejos além-mar; pena maior, ainda, o número decrescente dos crédulos na desejável promiscuidade entre o dizer e o acontecer.

 

Note-se, ou nem isso: esta manhã – encontrava-me eu em sempre diligente serviço numa mercearia do Olivais – quando uma rapariga, com um ar algo fragilizado pela pobreza evidente, nela entrou e simplesmente disse “Canela!”, num tom absolutamente certo diante da acústica em redor.  

A minha imaginação, como todas, sobrevive entre limites sempre movediços, mas poderia jurar ter presenciado um momento em que o Tempo absolutamente parou, em que tudo naquela mercearia ficou coberto de um castanho bonito; e todos, naquela mercearia, nos sentimos bons, dentro e fora submersos por um pó castanho-dourado que caía do tecto, ressoava das paredes e a todos cobria de um estranho encanto.

 

O facto de o desajeitado merceeiro, sobrerepticiamente, ter servido a rapariga com meia dúzia saquetas de plástico repletos de um pó castanho - sim, esse sempre útil para preservar a miséria dos mais pobres -, não bastou para destruir a minha pintura algo dourada pela ilusão. Fechei os olhos, pois esse real estupor já não me interessa.

 

Creia-se ou não, já existe demasiado pessimismo em redor; por toda a parte pululam apocalípticos profetas, emparedados na sua lucidez com muitas aspas. Para essa missa semi-gótica já dei o que tinha e o que não. Repito: quero que o presente se foda em pedacinhos! O presente nunca existiu além de um instante. Continuam precisas sombras do futuro no passado, vice-versas e versos-vício, de reversos capazes de fintar o peso deste Tempo demasiado actual.

 

Mas para quê deprimir os por demais deprimidos? Para se sentirem ainda mais impotentes? Até Lou Reed, um céptico e cínico do piorio, sobrevivente de uma infância vivida num optimismo bacoco, chegou a cantar: “I’m set free to find the new illusion”. Sem algo disso, um território minimamente saudável para o sonho, além de nós, por demais tristes contemporâneos, não haverá qualquer futuro.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Alguns riscos


Indícios?, por demais

um tremendo cansaço

de coisas feias, e daí

sons, diversos traços

caracteres alguns

de um rasto só


Algum tempo:


2017 Janeiro 2016 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro ; 2015 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro ; 2014 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro; 2013 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro; 2012 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho


Junho 2006/Junho 2012

(arquivos não acessíveis

via Google Chrome)


Algumas pessoas:


T ; José Carvalho da Costa, Francisco Q ; Alcino V, Vitor P ; José Carlos T, Fernando C, Eduardo F ; Paulo V, "Suf", Zé Manel, Miguel D, S, Isabel, Nancy ; Zé T, Marcelo, Faria, Eliana ; Isabel ; Ana C ; Paula, Carlos, Luís, Pedro, Sofia, Pli ; Miguel B ; professores Manuel João, Rogério, Fátima Marinho, Carlos Reis, Isabel Almeida, Paula Morão, Ivo Castro, Rita Veloso, Diana Almeida


Outros que, no exacto antípoda dos anteriores, despertam o pior de mim:


Demasiados. Não cabem aqui. É tudo gente discursivamente feia. Acendendo a TV ou ouvindo quem fora dela reproduz agendas mediáticas, entre o vómito e o tédio a lista tornar-se-ia insuportavelmente longa.


Uma chave, mais um chavão? A cultura popular do início deste séc. XXI fede !


joseqcarvalho@sapo.pt


Alguns nomes:


José Afonso ; 13th Floor Elevators, The Monks, The Sonics, The Doors, Jimi Hendrix, The Stooges, Velvet Underground, Love / Arthur Lee, Pink Floyd (1967-1972), Can, Soft Machine, King Crimson, Roxy Music; Nick Drake, Lou Reed, John Cale, Neil Young, Joni Mitchell, Led Zeppelin, Frank Zappa ; Lincoln Chase, Curtis Mayfield, Sly & The Family Stone ; The Clash, Joy Division, The Fall, Echo & The Bunnymen ; Ramones, Pere Ubu, Talking Heads, The Gun Club, Sonic Youth, Pixies, Radiohead, Tindersticks, Divine Comedy, Cornelius, Portishead, Beirut, Yo La Tengo, The Magnetic Fields, Smog / Bill Callahan, Lambchop, Califone, My Brightest Diamond, Tuneyards ; Arthur Russell, David Sylvian, Brian Eno, Scott Walker, Tom Zé, Nick Cave ; The Lounge Lizards / John Lurie, Blurt / Ted Milton, Bill Evans, Chet Baker, John Coltrane, Jimmy Smith ; Linton Kwesi Johnson, Lee "Scratch" Perry ; Jacques Brel, Tom Waits, Amália Rodrigues ; Nils Frahm, Peter Broderick, Greg Haines, Hauschka ; Franz Schubert, Franz Liszt, Eric Satie, Igor Stravinsky, György Ligeti ; Boris Berezovsky, Gina Bachauer, Ivo Pogorelich, Jascha Heifetz, David Oistrakh, Daniil Trifonov


Outros nomes:


Agustina Bessa Luís, Anna Akhmatova, António Franco Alexandre, Armando Silva Carvalho, Bob Dylan, Boris Vian, Carl Sagan, Cole Porter, Daniil Kharms, Evgeni Evtuchenko, Fernando Pessoa, George Steiner, Gonçalo M. Tavares, Guy Debord, Hans Magnus Enzensberger, Harold Bloom, Heiner Müller, João MIguel Fernandes Jorge, John Mateer, John McDowell, Jorge de Sena, José Afonso, Jürgen Habermas, Kevin Davies, Kurt Vonnegut Jr., Lêdo Ivo, Leonard Cohen, Luís de Camões, Luís Quintais, Marcel Proust, Marina Tzvietaieva, Mário Cesariny, Noam Chomsky, Ossip Mandelstam, Ray Brassier, Raymond Williams, Roland Barthes, Sá de Miranda, Safo, Sergei Yessinin, Shakespeare, Sofia M. B. Andresen, Ted Benton, Vitorino Nemésio, Vladimir Maiakovski, Wallace Stevens, Walter Benjamin, W.H. Auden, Wislawa Szymborska, Zbigniew Herbert, Zygmunt Bauman


Algum som & imagem:


Avec élégance

Crazy clown time

Danse infernale

Dark waters

Der himmel über berlin

Forever dolphin love

For Nam June Paik

Gridlocks

Happy ending

Lilac Wine

L'heure exquise

LoopLoop

Materials

Megalomania

Metachaos

Nascent

Orphée

Sailing days

Soliloquy about...

Solipsist

Sorry, I'm late

Submerged

Surface

Their Lullaby

The raw shark texts

Urban abstract

Unter