Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De quando em vez (2)

por JQ, em 11.10.14

Para além da última, há pelo menos outra "coisa" em comum entre casas, computadores e pessoas: memórias profundas e outras temporárias. Sendo as primeiras de conservar, já as segundas precisam, de quando em vez, de alguma higiene, para que o caminho por entre elas não se torne demasiado lento. Há uns tempos, quando me considerava mais humano, apanhava dois ou três pifos valentes por ano e, na tarde do dia seguinte, este fígado cor de cinza que carrego entre os ombros parecia bem mais leve de memórias, bem mais pronto para reinícios. Com o mesmo objectivo, elimino os ficheiro temporários do computador meia dúzia de vezes ao ano. Quanto aos papéis nas gavetas de casa, sou bem mais preguiçoso. Nem anualmente acontece uma “limpeza da Páscoa”. Bom, nesta última encontrei uma folha A4, já amarelecida pelo mofo decorrido desde o tempo das rádios piratas, em que me terá servido, como neste blog, de pausa entre músicas. Achei-lhe alguma graça e por isso transcrevi-o para aqui. Tinha um título tão juvenil quanto a noção de conjugalidade, simultaneamente ingénua e céptica, como eu ainda, nela subjacente:

 

 

Fanáticos da verdade? Viciados no strip emocional? Tomem lá um pouco de ficção!

 

Foi assim ou mais ou menos. Era já bem tarde quando cheguei a casa, vindo do Quartel-General. Enquanto despia a farda, calhou reparar que a minha de carnes generosa esposa e um franzino tipo qualquer esperneavam felizes na alcatifa. Discretíssimo, como quase sempre, fui à arrecadação, empunhei o Black & Decker e fiz o que tinha a fazer. Dois queriam ser um?! A bem dizer, ficaram ambos definitivamente feitos num oito.

 

Após, subi ao quarto dos meus filhos e risquei da memória cinco anos de insónias e dores de cabeça, vezes mil vezes a cor e o cheiro das fraldas que precisaram. Bom, enchi uma mala e mudei de cidade. Havia séculos que não me sentia tão bem. A partir daí, sempre que precisava disso, dava as minhas voltas, serial e humildemente contribuindo para diminuir a taxa de pouca-vergonha.

 

Num dia qualquer – primaveril, decerto -, levantei a cabeça e reparei que todas as morais estavam de rastos. Convenci algumas pessoas disso e fomos tomando umas quantas medidas para resolver o problema. Chegamos ao ponto de premir alguns botões vermelhos, daqueles capazes de fazer crescer magníficos cogumelos detergentes. Tudo foi varrido, excepto eu e um baú pleno do adn de inúmeros bichinhos. Uf-uf, suspirei de alívio e adormeci...

 

… Para ser acordado por dois estorninhos numa tarde outonal como esta. Ergui o olhar e, lá no alto, o que vi eu? O voo alcoólico dum ovni em forma de frigideira, donde foi despejada uma moça realmente saudável. Deveras mesmo. Não me rendi logo, mas ela, em mim, serviu-se de todos os truques encriptados no seu software de origem.

 

Alguns dias passados, conhecemo-nos no sentido bíblico. Fomos muito felizes durante 949 anos. Eu, ela, umas frangas e ovelhitas de quando em vez. Uma semana antes de atingir a idade de Noé, os céus e as terras fartaram-se de nós, pecadores, e disseram-nos adeus. E todos nós dissemos adeus uns aos outros e a um todo que nunca foi nosso.

 

Bom, podia ter sido bem pior, ou, quem sabe?, talvez melhor. Parecendo que sim, desconfio que os profetas do mais sonoro saber nunca experimentaram a ponta do menor corno da realidade. E daí, talvez tenham desistido de sonhar. Será que alguém, ainda…?

Autoria e outros dados (tags, etc)



Alguns riscos


Indícios?, por demais

um tremendo cansaço

de coisas feias, e daí

sons, diversos traços

caracteres alguns

de um rasto só


Algum tempo:


2017 Janeiro 2016 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro ; 2015 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro ; 2014 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro; 2013 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Maio Abril Março Fevereiro Janeiro; 2012 Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho


Junho 2006/Junho 2012

(arquivos não acessíveis

via Google Chrome)


Algumas pessoas:


T ; José Carvalho da Costa, Francisco Q ; Alcino V, Vitor P ; José Carlos T, Fernando C, Eduardo F ; Paulo V, "Suf", Zé Manel, Miguel D, S, Isabel, Nancy ; Zé T, Marcelo, Faria, Eliana ; Isabel ; Ana C ; Paula, Carlos, Luís, Pedro, Sofia, Pli ; Miguel B ; professores Manuel João, Rogério, Fátima Marinho, Carlos Reis, Isabel Almeida, Paula Morão, Ivo Castro, Rita Veloso, Diana Almeida


Outros que, no exacto antípoda dos anteriores, despertam o pior de mim:


Demasiados. Não cabem aqui. É tudo gente discursivamente feia. Acendendo a TV ou ouvindo quem fora dela reproduz agendas mediáticas, entre o vómito e o tédio a lista tornar-se-ia insuportavelmente longa.


Uma chave, mais um chavão? A cultura popular do início deste séc. XXI fede !


joseqcarvalho@sapo.pt


Alguns nomes:


José Afonso ; 13th Floor Elevators, The Monks, The Sonics, The Doors, Jimi Hendrix, The Stooges, Velvet Underground, Love / Arthur Lee, Pink Floyd (1967-1972), Can, Soft Machine, King Crimson, Roxy Music; Nick Drake, Lou Reed, John Cale, Neil Young, Joni Mitchell, Led Zeppelin, Frank Zappa ; Lincoln Chase, Curtis Mayfield, Sly & The Family Stone ; The Clash, Joy Division, The Fall, Echo & The Bunnymen ; Ramones, Pere Ubu, Talking Heads, The Gun Club, Sonic Youth, Pixies, Radiohead, Tindersticks, Divine Comedy, Cornelius, Portishead, Beirut, Yo La Tengo, The Magnetic Fields, Smog / Bill Callahan, Lambchop, Califone, My Brightest Diamond, Tuneyards ; Arthur Russell, David Sylvian, Brian Eno, Scott Walker, Tom Zé, Nick Cave ; The Lounge Lizards / John Lurie, Blurt / Ted Milton, Bill Evans, Chet Baker, John Coltrane, Jimmy Smith ; Linton Kwesi Johnson, Lee "Scratch" Perry ; Jacques Brel, Tom Waits, Amália Rodrigues ; Nils Frahm, Peter Broderick, Greg Haines, Hauschka ; Franz Schubert, Franz Liszt, Eric Satie, Igor Stravinsky, György Ligeti ; Boris Berezovsky, Gina Bachauer, Ivo Pogorelich, Jascha Heifetz, David Oistrakh, Daniil Trifonov


Outros nomes:


Agustina Bessa Luís, Anna Akhmatova, António Franco Alexandre, Armando Silva Carvalho, Bob Dylan, Boris Vian, Carl Sagan, Cole Porter, Daniil Kharms, Evgeni Evtuchenko, Fernando Pessoa, George Steiner, Gonçalo M. Tavares, Guy Debord, Hans Magnus Enzensberger, Harold Bloom, Heiner Müller, João MIguel Fernandes Jorge, John Mateer, John McDowell, Jorge de Sena, José Afonso, Jürgen Habermas, Kevin Davies, Kurt Vonnegut Jr., Lêdo Ivo, Leonard Cohen, Luís de Camões, Luís Quintais, Marcel Proust, Marina Tzvietaieva, Mário Cesariny, Noam Chomsky, Ossip Mandelstam, Ray Brassier, Raymond Williams, Roland Barthes, Sá de Miranda, Safo, Sergei Yessinin, Shakespeare, Sofia M. B. Andresen, Ted Benton, Vitorino Nemésio, Vladimir Maiakovski, Wallace Stevens, Walter Benjamin, W.H. Auden, Wislawa Szymborska, Zbigniew Herbert, Zygmunt Bauman


Algum som & imagem:


Avec élégance

Crazy clown time

Danse infernale

Dark waters

Der himmel über berlin

Forever dolphin love

For Nam June Paik

Gridlocks

Happy ending

Lilac Wine

L'heure exquise

LoopLoop

Materials

Megalomania

Metachaos

Nascent

Orphée

Sailing days

Soliloquy about...

Solipsist

Sorry, I'm late

Submerged

Surface

Their Lullaby

The raw shark texts

Urban abstract

Unter